6 de maio de 2011

Já não me sinto bem nesta distracção que a vida criou para o meu coração.
As memórias já não cobrem a dor de um passado; os pedaços de nada já não encobrem as lágrimas da noite.
A partir deste momento.. tenho a dizer que já não há nada para sentir, nem existe nada que venha a ser bom de recordar.

O anjo, acabou por descer à terra e largar as suas armas; o seu conforto e a prisão estreita entre a razão e o coração.
Volta ao mundo que existia sem mim; vais libertar-nos desta crença que ambos construimos em torno de algo tão pouco palpável e sólido.
Estar aqui.. apenas por estar - só faz de nós - peregrinos da escuridão.
Para que um dia a recordação não seja apenas um rio que corre sem rumo.. devemos criar uma zona de conforto,
zona essa que será obrigatoriamente individual.
Não olhes para mim.. não posso voltar a acenar positivamente como outrora; não posso erguer de novo os braços para receber o que julguei ainda existir.
Respira fundo e vira costas. Por vezes, é a única solução.
Eu acredito, não importa o que o coração nos diz.

2 comentários:

AquilesMarchel disse...

muito bom
boa descoberta seu blog
prazer aquiles
li varios textos e curti demais

dannie disse...

Trata de mudar isso. És capaz.