31 de maio de 2010

Simples Palavras de Medo

Podia sentar-me longe,
oculta aos teus sentimentos e,
apenas adequar à situação a minha capacidade de observar inquieta;
mas esta atitude que apresentas no teu Ser, não permite novos caminhos para o teu coração. E isso agonia as minhas sensações e aquilo que desejo para ti.
Senta-te ao meu lado, e escuta com carinho todas as minhas palavras; poderão não fazer qualquer sentido, no agora, mas serão o teu guia quando a tua alma as pedir.

Sou uma alma irreverente e perspicaz e, sei que não é o momento certo para seguires sozinho. A minha presença, o meu afecto, o meu carinho.. é essencial. Percepciona-os como tal.

Medo. Todos temos os nossos medos.
Mas há diferenças entre o nós que tem medo.

O medo que eu sinto, auxilia-me, está ao serviço dos meus pensamentos e acções. Diz-me quando devo seguir e para onde, diz-me quando devo parar. Mas não me diz como devo viver.
Ouço-o na maior parte das vezes, mas não o deixo tomar decisões acerca da minha felicidade. Porque sei, que a presença dele é tão boa na proporção certa da relevância que lhe conferimos.
O meu medo, faz-me ser como e quem sou. Mas não sou eu.

Caminha.. pela vida. Olha os horizontes e mantêm o teu medo a teu lado.. apenas como companhia. Não estás só, porque ele acompanha as tuas decisões. Mas não as evites por causa da presença dele.
Olha novos olhares. Sente novas emoções. Cativa e deixa que te cativem. Age e reage.
Senta-se debaixo de uma árvore, num dia quente e aproveita a brisa fresca da vida.
Apaixona-te por novas ideias, novos sorrisos, novas amizades.
Precisas mais disso, do que do teu medo.
Não o tornes prioritário na tua existência.

Deixa que invadam o teu coração e os teus sentimentos. Com espontaneidade, naturalidade.
Esse sorriso alcança os horizontes. Segue-o...
Digo, com o rosto húmido de dor: as oportunidades surgem no momento certo, lado a lado, com a pessoa certa.
Não obstante, ao lado dessa pessoa, caminha também o medo. Mas o segredo é controla-lo em prol da nossaimaginação e criatividade.
Somos nós, não o medo, que queremos ir além do comum que temos no dia a dia.
O medo senta-se e aceita.
Nós somos irrequietos e irreverentes.
Esperamos sempre demasiado tempo pelo Bom e, quando o obtemos, somos capazes de o negar com todas as forças. Mesmo que o façamos sem pensar.
Não negues.. aproxima! Não recuses... aceita!
Não sofras... sorri! Não esperes... vive!
Lembra-te da vida e dos contornos que teve até então. Concentra-te no dia de hoje. Adquiriste o poder de sorrir de novo, com a alma.
Queres que o amanhã volte a ser aquele sorriso desvanecido que surge com o esforço dos músculos?

Admiro a capacidade de ir mais longe, de saltar barreiras de obstáculos e de saber controlar o medo.
Sim, porque ter medo é Bom!
Mas melhor, é saber o papel dele na nossa vida.

És a parte que deve completar a ti mesmo. Tudo o que te envolve nada mais é, que a tua oportunidade. Agarra-a. Se tens pouca força, não faz mal. Apenas estende um dedo, se a mão não está disponível.
Mais tarde.. estende outro dedo.. e outro.. e outro.. com naturalidade! Saberás o momento em que isso será parte do teu dia a dia.
Com medo.
Mas sendo tu mesmo, sem fachadas, sem Stops. Sem bloqueios.


Sem parar o tempo. Sem parar a vida. Sem parar os sonhos e as realizações.

1 comentário:

Romeu Silva disse...

Obrigado. Palavras certas na hora certa. És fantástica